terça-feira, 5 de maio de 2009

Agrotôxicos

Atualmente, as frutas e hortaliças que uma pessoa em média consome por ano foram borrifadas com mais de 4 litros de agrotóxicos.

Os agrotóxicos são fabricados para matar, e não há dúvida que os seres humanos não devem ser expostos a eles.

Eles estão relacionados como a causa direta de um grande número de tipos de câncer.

A possível presença de agrotóxicos em frutas e vegetais não deve impedir que se adote dieta rica desses alimentos. As concentrações em frutas e vegetais são inferiores às encontradas em gorduras animais, carne de vaca, queijo, leite integral e ovos. Além do mais, vários componentes antioxidantes nas frutas e nos vegetais são necessários para ajudar o organismo a lidar com os agrotóxicos.Existem inúmeras provas que a ingestão de frutas, legumes e verduras reduz o risco de câncer, mas os benefícios seriam ainda maiores se esses produtos fossem orgânicos.

Ao serem aplicados, principalmente por pulverização aérea, os agrotóxicos sofrem deriva, contaminam rios, atingem outras plantações, contaminam a água que os animais bebem, contaminam a atmosfera, nossa água, terra, são resistentes no meio ambiente, entram nas cadeias ecológicas e nos ciclos biogeoquímicos, atravessam continentes e provocam efeitos tóxicos adversos que atingem desde uma bactéria até o homem.

Muitos destes agentes carcinogênicos contidos nos agrotóxicos são lipossolúveis e por esta razão se encontram preferencialmente nas gorduras e se acumulam na gordura animal. Ao diminuirmos o consumo de gordura animal (carne, ovos e laticínios) reduziremos a exposição. Agora, se continuarmos comendo os ovos e a carne da galinha que foi tratada com ração de milho contaminado com agrotóxicos, bebendo o leite e comendo o queijo e a carne da vaca cuja gordura têm resíduos de agrotóxicos, continuaremos em exposição freqüente a estes resíduos, que diferentemente dos alimentos de origem vegetal, não têm propriedades antioxidantes.

São muitas as pesquisas sobre os efeitos nocivos dos agrotóxicos. A maioria delas, realizadas nos países de primeiro mundo.

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental Norte-Americana (US-EPA), diversos agrotóxicos tiveram uso proibido nos Estados Unidos, após constatação de seus efeitos nocivos. Só que, estes mesmos agrotóxicos que tiveram seus registros cancelados nos EUA, são produzidos somente para exportação. Entre eles, estão o disoneb, mevinfos, silvex, mirex, monocrotofós (também proibido no Brasil, só que foi citado na reportagem do link abaixo, e está sendo utilizado no Brasil, talvez de forma clandestina), captafol, heptacloro e clordane.Atualmente, a bilionária indústria de agrotóxicos do primeiro mundo não exporta apenas agrotóxicos, mas sim fábricas de agrotóxicos para os países em desenvolvimento, onde a mão-de-obra é mais barata, e as leis ambientais muito menos rigorosas e os impactos ao meio ambiente e à saúde humana são de difícil comprovação. O mercado latino americano é o que mais cresce e o Brasil responde por cerca de 55% deste mercado. Muitos organoclorados não se degradam facilmente, permanecendo no meio ambiente por muito tempo, o que significa que podem entrar para a cadeia alimentar dos animais e dos seres humanos.A atrazina é um xenoestrôgeno tão potente que é capaz de mudar o sexo das rãs dentro dos rios onde termina sendo despejada.

As citações acima, foram retiradas dos livros:
-Agrotôxicos, Mutações, câncer e Reprodução ( Dr. Cesar Koppe Grisolia, professor do departamento de genética e morfologia da Universidade Federal de Brasilia)
-Diga não ao Câncer (Dr. Patrick Holford)-Anticâncer (Dr. David Servan-Schreiber)
-Como prevenir e tratar o câncer com medicina natural (Dr. Michael Murray, Dr. Tim Birdsall, Dr. Joseph E. Pizzorno, Dr. Paul Reilly)

Dicas para diminuir a exposição aos agrotôxicos
- Tentar utilizar, sempre que possível, produtos orgânicos
-Tentar comprar produtos locais, da estação
-Na hora de escolher os vegetais, optar pelos de tamanho menor. Aqueles mais belos e maiores são os que, possivelmente receberam maior quantidade de agrotóxicos.
-Os vegetais mais contaminados são: tomate, cenoura, alface, morango e geralmente todos os que têm “casca” fina.
-Fazer a higienização adequada
-Descascar ou remover a camada externa das folhas de alguns produtos; isso pode bastar para reduzir os níveis de pesticidas. A desvantagem disso é que muitos dos benefícios nutricionais estão concentrados na pele e camadas externas
-Utilizar ovos orgânicos, leite e queijo orgânicos e se for consumir carne de boi ou frango, também preferir orgânicos, sempre atento ao selo de qualidade do produtor.
- Quem mora em São Paulo, têm a opção de comprar produtos orgânicos no Parque da Água Branca, próximo ao metrô Barra Funda, às terças , sábados e domingos.


LINKS SOBRE AGROTÔXICOS
Uso abusivo de agrotóxicos: ameaça à saúde e ao meio ambient (Telejornal da Globo)
http://www.youtube.com/watch?v=hgdhIBwOpk4

Venenos proibidos nos EUA , Japão e diversos países de primeiro mundo mas ainda liberados no Brasil (Telejornal da Globo)
http://www.youtube.com/watch?v=OcxUD0n8S68

Os efeitos dos agrotóxicos no organismo aparecem ao longo do tempo e podem ser fatais
http://www.senado.gov.br/comunica/agencia/cidadania/agrotoxicos/not002.htm

Consumo de alimentos com agrotóxicos pode causar câncer, alerta pesquisadora
www.agrisustentavel.com/toxicos/cancer.html

Estudo encontra agrotóxicos em mais de 50% dos alimentos "in natura" http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u113891.shtml

Agrotôxicos e a qualidade dos recursos hídricos
www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id=412

Brasil lidera uso mundial de agrotóxicos
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090807/not_imp414820,0.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog

Carregando...