quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Dr. Burzynski: Antineoplastons para cura do câncer?

Burzynski, o filme é a história de um médico e bioquímico Ph.D chamado Dr. Stanislaw Burzynski que venceu a maior e mais intrigante batalha legal contra a FDA (Food and Drug Administration), que é a agência governamental americana que lida com o controle das indústrias alimentícias e de medicamentos nos EUA.

Na década de 1970, o Dr. Burzynski fez uma descoberta notável que ameaçou mudar o tratamento do câncer para sempre. Sua oncologia ”não-tóxica” e “genética-alvo” poderia ter ajudado a salvar milhões de vidas ao longo das últimas três décadas, se sua descoberta não fosse  reprimida pelo governo dos EUA. Com sua terapia, chamada de "antineoplastons", foram demonstrados benefícios efetivos em algumas das mais “incuráveis” formas de Câncer terminal.

Este documentário mostra um pouco dos desafios que o Dr. Burzynski e seus pacientes tiveram que suportar, a fim de obter finalmente aprovação pela FDA para a realização de ensaios clínicos de antineoplastons.

O documentário também expõe o lado sombrio das pesquisas médicas, realidade difícil de imaginar que possa existir, mas que muitas evidências têm demonstrado que são reais.

Stanislaw Burzynski nasceu no início de 1940 na Polônia, e é bioquímico e médico. Vive e trabalha em Houston, Texas, Estados Unbidos a algumas décadas.

Para quem já foi afetado pelo câncer, seja diretamente ou indiretamente, os fatos apresentados no filme vão nos deixar perplexos.

É estarrecedor saber que o governo dos EUA, durante 14 anos, não apenas tentou barrar as pesquisas do Dr.  Burzynski, como também gastou mais de US $ 60 milhões de dólares para colocar o inventor do tratamento na prisão, a fim de “roubar” suas patentes e suprimir ou ganhar dinheiro com a sua descoberta. Tratamento esse, que teve uma taxa de sucesso muito maior do que qualquer outro tratamento disponível.

A história começa no início dos anos 1970, quando o Dr. Burzynski descobriu que pessoas com câncer não dispunham de um determinado peptídeo, enquanto os que estavam livres do câncer tinham uma oferta abundante do mesmo.

Esta constatação levou-o a criar um tratamento médico designado “antineoplastons”. A droga contém uma mistura de peptídeos e derivados de aminoácidos. Estes eram conhecidos por atuar como interruptores moleculares, mas como a pesquisa do genoma floresceu e a ciência progrediu, Dr. Burzynski descobriu que também atuam como interruptores genéticos, e é por isso que antineoplastons funcionam tão bem. Eles são realmente capazes de ativar genes supressores tumorais e, simultaneamente, desativar os  oncogenes, responsáveis pelo desenvolvimento de um tumor.

Nosso corpo contém dois tipos de genes que permitem que um câncer se desenvolva: Oncogenes e genes supressores de tumor. Quando alguém tem câncer, o organismo da pessoas afetada têm um maior número de oncogenes ativados e também um maior número de supressores tumorais desligados.

O objetivo é fazer o organismo ativar os genes supressores tumorais, e desligar o máximo possível de oncogenes.

Embora existam algumas drogas que buscam esta finalidade, na maioria dos casos, são capazes de atingir apenas um número limitado de genes específicos. Antineoplastons, por outro lado, tem como objetivo atingir  uma ampla gama de genes relacionados ao câncer: cerca de 100 deles de uma vez. De uma forma muito simplista, os antineoplastons atuam como  “antibióticos” de largo espectro.

O filme apresenta várias histórias reais de pessoas que foram curados com esta terapia.  

O  Dr. Burzynski estava tão confiante na sua terapia antineoplastons que aceitou tratar os mais difíceis e "desesperados" casos, incluindo tumores cerebrais da infância, dentre estes astrocitomas e gliomas de tronco cerebral. Infelizmente a ciência pouco pode fazer em muitos destes casos e geralmente o melhor resultado que o tratamento convencional pode oferecer é desacelerar o crescimento do tumor.

Jéssica Ressel é uma dessas crianças que foi curada de um tumor de tronco cerebral através da terapia com   antineoplastons e seu depoimento pode ser confirmado no filme.    Ela tinha 11 anos na ocasião do diagnóstico de um glioma dito como incurável e atualmente, aos 24 anos, leva uma vida completamente livre do câncer.  

Segundo as estatísticas do tratamento com antineoplastons , os maiores sucessos foram alcançados com as pessoas que não foram submetidas a tratamentos de quimioterapia ou radioterapia anteriormente. Já é conhecido, que muitos tratamentos convencionais são mais letais que a própria doença.

Assista ao documentário e tire suas próprias conclusões:




9 comentários:

  1. Olá, Lidionete! Acabei de assistir ao documentário e achei-o muito interessante. Lamento já não poder fazer nada pelos meus dois irmãos que faleceram de cancro, um deles de Astrocitoma Difuso. Questiono-me se poderiam ter sido salvos... É cruel pensar que não tentei encontrar a cura o suficiente. Espero que quem está a passar por este drama tente todas as soluções que puder, pois alguns, muito poucos, conseguem. Meu irmão conseguiu viver 25 anos sem o tumor lhe dar problemas, até que começou a evoluir e só viveu pouco mais de 1 ano. Um abraço e que tudo corra bem para o seu filho Vítor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amarantina, não pense assim... Infelizmente o câncer é uma doença imprevisível e por mais que tentemos todas as possibilidade, ainda pode não ser suficiente.
      Mas peço a Deus que logo descubram a cura definitiva para este mal!
      grande abraço!

      Excluir
    2. Lidionete, a cura está aí bem na sua frente - assista ao filme documentário com drº Stanislaw Burzynski. Outras opções são a graviola, a guaçatonga, a babosa e outras. Pesquise.

      Excluir
  2. Olá, Lidionete:
    esse tratamento existe aqui no Brasil? Estou procurando também um médico no Brasil (sou do Rio de Jan.) que trate com o bicarbonato de sódio.Sei que há porque vi um comentário de um amigo seu, chamado Balthazar barros Zenker, que gostaria de contactar a fim de saber mais sobre o médico e o tratamento. Você poderia ajudar? Escrevi pro teu e-mail ( lidionete@gmail.com), mas não veio resposta ainda.





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Arminda, me desculpa não ter respondido... Estou meio atrapalhada com os e-mail´s e tentando colocar em dia, mas tá difícil...
      Conheço uma pessoa que mora em Portugal que fez contato com a equipe do Dr. Burzynski, e o tratamento é só nos EUA, Califórnia.
      Quanto ao tratamento com bicarbonato com o médico no Rio de Janeiro, eu não sei a respeito, mas vou tentar contato com o Balthazar, que agora está em Belém do Pará, sua cidade. Na época, estava aqui em SP, acompanhando o tratamento do filho, que infelizmente faleceu vítima de um câncer cerebral. Não sei te informar se ele fez o tratamento com bicarbonato, mas creio que não, pois estava bastante debilitado para viajar para o Rio...

      Excluir
    2. Olá Lidionete, foi diagnosticado à minha mãe um tumor maligno no cerebro. Estou desesperada. Pode, por favor, fornecer-me o contacto da pessoa de Portugal que procurou a ajuda do dr Burzynski.
      O meu nome é Andreia Rodrigues e o meu email é andreialoucao@gmail.com.
      Aguardo ansiosamente pelo seu contacto. Obrigada

      Excluir
    3. Oi, Andréia.
      Há tratamento natural sim e o mesmo não é divulgado pela indústria farmacêutica que receia que a população descubra a verdade.
      Entre no Youtube e veja, por exemplo, que o câncer é curado com a graviola.

      Excluir
  3. Janeca o contato do Dr está aqui

    http://www.burzynskiclinic.com/contact-us.html

    ResponderExcluir
  4. Outra opção para quem não tem muito recurso para para viajar para Clinica do Dr Burzynski quer visite o site http://www.curasdocancer.com/,pois lá tem um protocolo da Dra Alemã Budwigbque ensina como combater o câncer e como também suplementos curativos para combater o mesmo..Estou também lutando contra o câncer de mama de nível 4 na minha mãe,mas com fé em Jesus e muita luta vamos vencer.Espero que que vocês vença também.

    Josivaldo

    ResponderExcluir

Pesquisar este blog

Carregando...