sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz 2017

Ingresse no mês de janeiro com a certeza de que o Deus misericordioso que o acompanhou ao longo deste ano estará ao seu lado, sustentando-o nos momentos mais difíceis que porventura você tenha que enfrentar. 

Segure o braço poderoso de Jesus. Faça dEle o centro de sua vida. Receba dEle a inspiração e a sabedoria que precisa para viver uma vida próspera e feliz. 


Se os furacões das provações lhe tirarem tudo, não permita que lhe tirem a confiança nAquele que nunca perde o controle do Universo. 


Chegamos até aqui tendo trilhado o caminho da sabedoria, e nos unimos a Davi para dizermos juntos: “Se não fora o auxílio do Senhor, já a minha alma estaria na região do silêncio.” Sl 94:17


Que 2017 seja repleto de bençãos para todos nós!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Atenas, Grécia, FEV 2016

Nas últimas postagens contei um pouco da nossa experiência de viajar para a Itália e realizar o reconhecimento da nossa cidadania italiana, um direito garantido a todos os descendentes de imigrantes italianos, desde que apresentem os documentos comprobatórios.

Nestas postagens está relatada nossa experiência:
Reconhecendo nossa cidadania italiana:
Itália 2016
Pompeia e Nápoles

Antes de irmos para a Itália analisamos a possibilidade de aproveitar a viagem e visitar algum outro pais. Meu filho Bruno começou a pesquisar e descobriu que a Cia aérea holandesa Ryanair dispõe de voos para toda a Europa e preços bem econômicos, o que nos deixou bastante animados. Os valores algumas vezes chegam a ser quase de graça (há ofertas de trechos a 2 euros, por exemplo), mas algumas regras precisam ser respeitadas, como antecedência da compra, multa inviável em caso de cancelamento e bagagem máxima de até 10 quilos, não podendo a mala exceder o tamanho de 55 X 40 X 20 cm.
Nosso desejo inicial seria viajar para a Polônia e conhecer o famoso campo de concentração de Auschwitz, mas acabou não dando certo e então escolhemos Atenas, Grécia,  que valeu muito a pena.
Foi uma viagem rápida, de 3 dias apenas, mas foi muito especial.
Os jornais constantemente noticiavam a grande crise pela qual a Grécia estava passando e dois dias antes do nosso embarque para Atenas ocorreu um grande protesto, que foi notícia no mundo todo. Confesso que ficamos com medo, mas mesmo assim não cancelamos nossa viagem e seguimos em frente.
De tanto ouvir falar na crise grega e em manifestações e protestos, imaginávamos chegar lá e encontrar um país deprimente e arruinado, mas estávamos redondamente enganados. Desde o aeroporto foram somente surpresas boas, com pessoas gentis, meios de transportes modernos, cidade limpa e organizada. Andamos de transportes público para várias localidades e em nenhum momento nos sentimos inseguros. Notamos que havia pedintes nas ruas, mas até os mendigos eram limpos, educados e não estavam drogados, completamente diferente do que vemos nos centros de grandes cidades brasileiras, como São Paulo por exemplo.

Em Atenas ficamos hospedados bem próximo da praça Syntagma, principal praça de Atenas que além de ser ponto turístico da cidade, é palco de muitas manifestações populares por estar localizada em frente ao Parlamento, sede do Poder Legislativo da Grécia. 
E é em frente ao Parlamento Grego que ocorre de hora em hora a coreografada troca da guarda. Tivemos a oportunidade de assistir algumas vezes essa cerimônia bastante curiosa, que leva em média uns 7-10 minutos, mas abaixo segue uma pequena amostra num vídeo que fiz...

video

Vitor posando ao lado de um guarda grego

Os gregos são um povo bonito e assim como os brasileiros, gentis e hospitaleiros.
O ápice da nossa viagem à Atenas foi conhecer a famosa acrópole de Atenas, a mais famosa do mundo. A palavra “Acrópole” quer dizer “cidades altas", construídas no ponto mais elevado das cidades. A de  Atenas foi construída por volta de 450 a.C. sob a administração do célebre estadista Péricles, que coordenou a construção de um dos mais importantes edifícios. Foi dedicada a Atena, deusa padroeira da cidade. 

A vista de lá é linda, uma das mais incríveis que já vi...
Lá em cima fica o famoso  Partenon ou Partenão, que foi um templo dedicado à deusa grega Atena, construído no século V a.C., por iniciativa de Péricles, governante da cidade, projetado pelos arquitetos Calícrates e Ictinos e decorado em sua maior parte pela oficina do escultor Fídias.É o mais conhecido dos edifícios remanescentes da Grécia Antiga e foi ornado com o melhor da arquitetura grega, sendo um símbolo duradouro da Grécia e da democracia, sendo visto como um dos maiores  da história da humanidade.

Vitor em Acrópole, Atenas, Grécia

Também visitamos o areópago (Colina de Ares), localizado na parte nordeste da Acrópole. Nesse local se reunia o conselho de filósofos, que discutia assuntos como educação e ciência. Por volta do ano 50 da era cristã o apóstolo Paulo esteve ali e discutiu com filósofos epicureus e estoicos e esse fato está descrito na Bíblia, em Atos 17.




Nessa época Atenas era o centro da divagação da sabedoria humana e fervilhava com mestres e sábios de todas as correntes e tendências. “Os gregos buscam sabedoria”, escreveu Paulo em I Coríntios 1:22.
Esses importantes filósofos levaram o apóstolo Paulo ao Areópago para que lhes contassem a respeito das boas novas do Evangelho de um Deus Criador, Soberano, Eterno e Onipotente, revelado em seu Filho Jesus Cristo, que morreu e ressuscitou.

Foi emocionante visitar este lugar e saber que o apóstolo Paulo esteve ali e semeou o cristianismo entre os gregos. Paulo conhecia os argumentos dos filósofos gregos, sabia o que eles gostavam de ouvir. Tinha condições de discutir qualquer assunto com eles em pé de igualdade. Paulo era preparado, poliglota, cidadão romano, viajado e talentoso.




Abaixo, a descrição bíblica de Paulo pregando no Areópago de Atenas. Atos 17: 18 a 34
" E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição.
19 E tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas?
20 Pois coisas estranhas nos trazes aos ouvidos; queremos pois saber o que vem a ser isto
21 (Pois todos os atenienses e estrangeiros residentes, de nenhuma outra coisa se ocupavam, senão de dizer e ouvir alguma novidade).
22 E, estando Paulo no meio do Areópago, disse: Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos;
23 Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.
24 O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
25 Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;
26 E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;
27 Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós;
28 Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração.
29 Sendo nós, pois, geração de Deus, não havemos de cuidar que a divindade seja semelhante ao ouro, ou à prata, ou à pedra esculpida por artifício e imaginação dos homens.
30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;
31 Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.
32 E, como ouviram falar da ressurreição dos mortos, uns escarneciam, e outros diziam: Acerca disso te ouviremos outra vez.
33 E assim Paulo saiu do meio deles.34 Todavia, chegando alguns homens a ele, creram; entre os quais foi Dionísio, areopagita, uma mulher por nome Dâmaris, e com eles outros."

video

rua nas imediações de Acrópole leva o nome do apóstolo Paulo

Momento incrível também quando visitamos o estádio Panatenaico, que é um estádio de atletismo situado em Atenas, construído inteiramente em mármore branco do Monte Pantélico, sendo um dos estádios mais antigos do mundo.
Construído no ano 566 a.c., foi utilizado para alojar a parte atlética dos Jogos das Panateneias, em homenagem à deusa grega Atena. Foi reconstruído em mármore, por Arconte Licurgo, no ano 329 a.C. e  ampliado e renovado por Herodes Ático, no ano 140 d.C., com uma capacidade de 50.000 assentos. Em 1895 foi novamente renovado para os Jogos Olímpicos de 1896. Em 2004 os Jogos Olímpicos foram novamente sediados na cidade de Atenas e o Estádio Panatenaico hospedou as competições de tiro com arco e a chegada da maratona masculina e feminina.
Outro passeio que realizamos foi pegar o metrô linha 1 verde e descer na estação Piraeus, final da linha.




Fomos lá conhecer o porto de Pireu, atualmente o principal porto da Grécia, que já existe desde o século VII antes de Cristo. De lá partem embarcações para as famosas ilhas gregas, que um dia ainda pretendemos conhecer.

Vitor no mar Mediterrâneo


Passeamos pela orla do mar mediterrâneo e depois pegamos um trem de superfície sobre trilhos que leva para vários pontos da cidade.

estádio de um time de futebol de Atenas
Após dias incríveis em Atenas, tivemos que retornar à Roma, para de lá, após trocar de aeroporto, embarcarmos de volta ao Brasil. Os horários eram meio justos, mas deu tudo certo, sem sustos.
Viajar e conhecer lugares novos é maravilhoso e não precisa muito dinheiro para isso. Nossas viagens são o mais econômico possível, pois compramos passagens em promoção e nos hospedamos em locais modestos. As experiências e recordações são indescritíveis e ficarão para sempre em nossa memória e coração.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Natal, Noite de Paz, Superação

Natal, tempo de paz, tempo de amor, tempo de gratidão. Tempo de refletirmos sobre nossa vida. Tempo de abrirmos nossos corações e compartilharmos amor, paz e esperança. Que o rei Jesus, nosso Salvador, habite em nossas vidas hoje e em todos os outros dias.
Hoje gostaria de compartilhar algo muito especial... Aqueles que acompanham nossa jornada sabem que o meu filho Vitor teve algumas sequelas neurológicas pós cirúrgicas relacionadas à redução da força muscular do lado direito e também dificuldades de equilíbrio. Mesmo tendo passado quase 9 anos essas dificuldades ainda persistem, mas sem atrapalhar as atividades do dia a dia, que ele contorna muito bem. Antes da cirurgia ele era destro, mas com a diminuição da força do lado direito, tornou-se canhoto, tendo aprendido e comer, escrever e realizar a maioria das atividades com a mão esquerda. O neurologista que o acompanha no GRAACC recomendou fisioterapia contínua para evitar que os dedos atrofiem, porque ele acaba “esquecendo” de usar a mão direita...rsr Ele fez muitas seções de fisioterapia, só que já tem algum tempo que não faz e recentemente tivemos a ideia de o matricular numa escola de música para aprender algum instrumento. Colocamos diante dele as opções de estudar canto, violão ou piano e a nossa surpresa foi que ele escolheu teclado/piano. Sua primeira aula de teclado/piano foi no dia 08/11/2016, há 45 dias atrás e minha felicidade é sem tamanho de vê-lo dedicado e feliz. Ele está aprendendo de forma rápida e o melhor de tudo é que está sendo uma excelente fisioterapia para a mão direita... As primeiras lições foram difíceis, pois reclamava que doía os dedos e também a mão direita e por causa disso não conseguia treinar mais do que alguns minutos. Mas com o tempo essa dificuldade tem diminuído e ele não reclama mais de dor!
O meu guerreiro está aprendendo ler notas musicais e também cifras e já toca algumas músicas. Nesta semana peguei a partitura da música natalina “Noite de Paz” e o desafiei a aprende-la. Para minha surpresa em poucos minutos a melodia saiu e é com muita alegria que compartilho aqui com vocês...

video

Tenham todos um Feliz Natal, repleto das bençãos de Deus!

Abaixo, a letra da melodia que o Vitor tocou...


Noite de Paz
Letra: Joseph Mohr (1792-1848) / Título Original: Silent Night / Música: Franz Xavier Gruber (1787-1863) 
" Subiu também José, da Galiléia, da cidade de Nazaré, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam ali, chegou o tempo em que ela havia de dar à luz, e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem."(Lucas 2:4-7)

Tudo é paz! Tudo amor!
Dormem todos em redor.
Em Belém Jesus nasceu,
Rei da paz, da Terra e Céu;
Nosso Salva dor é Jesus, Senhor.
“Glória a Deus! Glória a Deus!”
Cantam anjos lá nos Céus;
Boas novas de perdão,
Graça eterna, salvação.
Prova desse amor, dá o Redentor.
Rei da paz, Rei do amor,
É Jesus o Salvador.
Vinde todos Lhe pedir
Que nos venha conduzir;
Deste mundo, a luz é o Senhor Jesus.
                                                                                                                                       

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Pompeia e Nápoles

Entre os dias 30 e 31 de janeiro de 2016 realizamos um passeio para Pompeia e Nápoles, cidades da região da Campânia, sul da Itália.
Quando eu era criança ouvi sobre Pompeia, a próspera cidade do império romano que foi destruída em decorrência da erupção do vulcão Vesúvio, há mais de 1900 anos atrás. Lembro que fiquei bastante impressionada quando soube que as pessoas tiveram suas vidas ceifadas repentinamente e ninguém sobreviveu. Pompeia foi destruída após uma grande erupção do vulcão Vesúvio  no ano 79, que provocou uma intensa chuva de cinzas e sepultou completamente a cidade. Ela se manteve oculta por 1600 anos, até ser reencontrada por acaso em 1748. Cinzas e lama protegeram as construções e objetos dos efeitos do tempo, moldando também os corpos das vítimas, o que fez com que fossem encontradas do modo exato como foram atingidas pela erupção.
Estávamos na região dos Abruzos e para chegarmos a Nápoles pegamos um trem até Roma (aproximadamente 4 horas de viagem) e de Roma um ônibus da Megabus que percorreu os 221 km de Roma a Nápoles. Em Nápoles embarcamos num trem regional que nos levou à Pompeia.
Pompeia foi uma próspera cidade do Império Romano situada a 22 km da cidade de Nápoles. A sua fundação foi por volta dos séculos VI e século VII antes de Cristo, pelos oscos, um povo da Itália central. Mas o local já havia sido utilizado anteriormente como porto seguro pelos marinheiros gregos e fenícios. Considerada patrimônio mundial  pela UNESCO, atualmente Pompeia é uma das atrações turísticas mais populares da Itália, com aproximadamente 2.500.000 visitantes por ano.
A cidade escavada oferece uma amostra da vida romana no século I, congelada no momento em que foi sepultada pela erupção do Vesúvio em 79. 









Pompeia era um lugar movimentado, e evidências demonstram diversos detalhes do cotidiano da cidade. 

Aqui é o interior de uma casa dos nobres...
Visitando as ruínas das antigas casas pudemos notar a distinção das classes sociais, pois havia as casas dos nobres, da classe média e dos pobres. Os nobres dispunham de escravos e algumas famílias chegavam ter até 12 escravos para os servirem. Uma coisa curiosa é que os nativos de Pompeia eram pessoas de baixa estatura, já os escravos, na sua maioria altos e robustos...Era um cidade pagã e muito promíscua, sendo comum a prática da pedofilia. Também estão preservados os locais onde funcionavam os prostíbulos da cidade e pudemos visitar essa parte bastante curiosa...
Aqui era um quarto do prostíbulo de Pompeia
Várias pinturas eróticas nas paredes, para o cliente escolher o "cardápio"


Dentre as construções da antiga cidade de Pompéia, se destaca o anfiteatro,  tendo sido citado por estudiosos modernos como um exemplo de design sofisticado, especificamente no quesito de controle de multidões.



Pudemos testar um pouquinho da acústica do local quando uma chinesa e seu grupo deu uma "palhinha" pra nós... Realmente é impressionante!
video


Um aqueduto abastecia as aproximadamente 25 fontes de rua, pelo menos quatro banhos públicos, um grande número de domus e casas de comércio. Esse  aqueduto era ligado aos três encanamentos principais do castelo da água, onde a água era coletada antes de ser distribuída à cidade.
Aqui uma das fontes de água da cidade de Pompéia

Este artefato servia para moer as azeitonas e preparar azeite

Local onde se pisava as uvas e fazia vinho

balcão de um comércio da antiga Pompeía

Na época da erupção, a cidade tinha aproximadamente 20,000 habitantes. Os moradores já haviam se habituado a tremores de terra de pequena intensidade, mas, em 5 de fevereiro de 62, um grave sismo provocou danos consideráveis na baía e particularmente em Pompeia. Acredita-se que o terremoto tenha atingido uma intensidade de 5 ou 6 na escala Richter, provocando caos na cidade, então em festividades. Templos, casas e pontes foram destruídos, e as cidades vizinhas de Herculano e Nuceria foram também afetadas. Não se sabe quantas pessoas deixaram Pompeia, mas um número expressivo mudou-se para outros territórios do Império Romano, enquanto as remanescentes deram início à árdua tarefa de superar os saques, fome e destruição, enquanto tentavam reconstruir a cidade.

Estudos vulcanológicos recentes indicam que no Vesúvio e nas cidades circunvizinhas, o calor foi a principal causa de morte, no que anteriormente se supunha ser devido às cinzas e sufocação. Os resultados do estudo demonstraram que a exposição ao calor de pelo menos 250 °C a uma distância de 10 quilômetros da erupção foi suficiente para causar morte instantânea dos habitantes de Pompeia e Herculano.

A população e construções de Pompeia foram cobertos por doze diferentes camadas de piroclasto, que caiu durante seis horas e totalizou 25 metros de profundidade. Plínio, o jovem forneceu um relato de primeira-mão da erupção do Vesúvio de sua posição em Miseno, do outro lado do golfo de Nápoles. A experiência provavelmente ficou gravada em sua memória devido ao trauma da ocasião e também pela perda de seu tio, Plínio, o velho, com o qual ele tinha uma relação próxima. Seu tio morreu enquanto tentava resgatar vítimas isoladas; como almirante da armada, ele havia ordenado que os navios da Marinha Imperial atracados em Miseno atravessassem o golfo para auxiliar nas tentativas de evacuação.
Depois que as grossas camadas de cinzas cobriram Pompeia e Herculano, estas cidades foram abandonadas e seus nomes e localizações eventualmente esquecidos. 
Herculano foi apropriadamente redescoberta em 1738 por operários que escavavam as fundações do palácio de verão do Rei de Nápoles, Carlos III. Após algum tempo as cidade de Pompeia e Herculano passaram a ser exploradas, revelando muitas construções e pinturas intactas.
No começo da exploração, descobriu-se que espaços vagos ocasionais nas camadas de cinzas continham restos humanos. Foi Fiorelli que percebeu que aqueles eram espaços deixados por corpos decompostos, desenvolvendo então uma técnica de injetar gesso neles para recriar perfeitamente o formato das vítimas do Vesúvio. O resultado foi uma série de formas lúgubres e extremamente fiéis dos habitantes de Pompeia incapazes de escapar, preservados em seu último instante de vida, alguns com uma expressão de terror claramente visível. 






Eu e o Vitor nas ruínas de Pompeia


Essa foto tirei na milenar cidade de Nápoles, localizada a 22 km de Pompéia, sul da Itália, onde é possível avistar o vulcão Vesúvio de vários pontos da cidade. Nápoles tem cerca de 1 milhão de habitantes, sendo considerada a terceira maior cidade da Itália, atrás somente de Roma e Milão. Nápoles localiza-se no golfo de mesmo nome, no mar Tirreno e de seu porto partem embarcações para regiões turísticas famosas, como a ilha de Capri, por exemplo.

Eu e meu filho Bruno no Castelo Nuovo, construído no ano de 1279

Castel Nuovo, impressionante e imponente

Aqui estamos no "bairro espanhol", em Nápolis... Um local no mínimo curioso, interessante e animado. As ruas estreitas e edifícios um tanto degradados, com varais de roupas estendidos entre os prédios, lambretas e pessoas circulando pelas vielas, crianças jogando futebol , pode ser considerado um exemplo da típica vida napolitana.

Aqui na lindíssima estação Toledo, do metrô de Nápoles, sendo considerada uma das 15 estações de metrô mais bonitas do mundo

Encerramos a noite com uma deliciosa pizza napolitana, imperdível pra quem visita Nápoles. 

Retornando de Nápoles no ônibus Megabus, uma excelente alternativa de transporte econômico entre cidades da Europa, Estados Unidos e Canadá. É possível encontrar trechos a partir de 1 ou 2 euros

Numa outra postagem irei compartilhar uma outra aventura nossa, que foi uma rápida viagem à Atenas, Grécia, o berço da civilização ocidental, da democracia e da filosofia. Foi incrível também!


sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Itália 2016

Conforme relatei na postagem anterior, sou descendente de imigrantes italianos e em razão disso temos direito a reconhecer a cidadania italiana por direito de sangue. Esse processo de reconhecimento da cidadania italiana pode ser feito no Brasil, porém a fila é gigante e tem demorado mais de 10 anos e por causa disso resolvemos realizar o processo diretamente na Itália.
Contratamos uma assessoria para nos auxiliar na locação de um imóvel para registramos a residência e também cuidar de todos os trâmites.
Nosso vôo teve uma conexão em Madri, Espanha e de lá pegamos outro voo com destino a Roma, capital da Itália.

Do aeroporto pegamos um ônibus para a direção leste da Itália, que atravessou toda a região montanhosa das províncias de Lazio, L´Aquila e Téramo. Nosso destino foi a região de Abruzzos, província de Téramo e nos instalamos em uma das pequeninas cidades da referida província. Conhecemos diversas cidades da região e foi uma delícia.
Como já mencionei, estávamos em 7 pessoas da família, sendo 4 requerentes maiores de idade (eu, minha mãe, meu irmão e meu filho Bruno) e 2 acompanhantes (minha irmã que mora no Canadá e que não faria o processo e o meu filho caçula Vitor).
Apesar do frio de janeiro/fevereiro, passamos momentos muito especiais e agradáveis. Já no dia seguinte à nossa chegada iniciou-se o processo, que foi comparecer à Questura (Polícia Federal Italiana) para providenciar nossa declaração de presença, tendo em vista nosso vôo ter feito conexão em outro país da Europa, por isso foi necessário esse trâmite. Depois foi dado entrada (no Comune), o nosso pedido de residência e após a confirmação anagráfica e chegada da Non Renuncia (documento que atesta que nossos antepassados não renunciaram a cidadania italiana), nossos documentos já poderiam ser transcritos.
Aproveitamos esse período de “espera” para conhecer a região que estávamos e aos finais de semana pudemos realizar alguns passeios.

Abaixo, um pouquinho do que vivemos nesses dias maravilhosos em família.

Nosso modesto "lar" na Itália

Muitos passeios de trem...

Vitor e eu na cidade de Pescara, 

Em Pineto, na Feira di San´Agnese

Foi muito legal participar da 11ª Feira de San´Agnese, que aconteceu no dia 24 de janeiro de 2016 na cidade de Pineto. Eu acredito que o nome "San´Agnese" é em razão da principal igreja da cidade, que tem esse nome em homenagem à "Santa Inês", uma mártir cristã executada durante as perseguições de Diocleciano, no ano 304, em Roma. A data de sua morte é lembrada em 21 de janeiro, portanto a feira que leva seu nome ocorre num domingo próximo a essa data. Abaixo, um pequeno vídeo que mostra um pouquinho da animação da feira, que contou com barracas de comerciantes e artesãos da região expondo os mais variados produtos, desde itens alimentícios, artesanato, vestuário, vinhos, queijos, etc A igreja que aparece no vídeo é a Igreja de San´Agnese, em Pineto.

video


Aqui é a cidade medieval de Atri, que existe deste os tempos "Antes de Cristo", antes da formação do Império Romano

Igreja de Casoli, uma cidadezinha rural da região

Com irmãos da igreja adventista de Scafa, que nos recebeu muito bem e preparou uma deliciosa massa pra nós
Cidade medieval de Sulmona, com as montanhas Gran Sasso ao fundo


Vitor passeando em Roma

Coliseu, Roma

Arco de Constantino, Roma

Fontana di Trevi, Roma


Outro passeio bastante interessante que fizemos foi conhecer San Marino, um pequenino país localizado dentro da Itália, na cordilheira dos Apeninos. É o mais antigo estado soberano do mundo, tendo sido fundado em 03 de setembro de 301 pelo diácono Marinus, que fugia das perseguições do Imperador romano Diocleciano.

Com nosso processo de reconhecimento da cidadania italiana encaminhado, teríamos que aguardar o envio da “Non Renuncia” e essa etapa geralmente demora... Como não poderíamos permanecer na Itália por tempo indeterminado até o término do processo, optamos por um procedimento legal chamado “delega”, que é uma autorização pra que outra pessoa retire nossos documentos após o reconhecimento da cidadania.  No dia 09 de fevereiro retornamos ao Brasil e então ficamos aguardando o desenrolar e conclusão do processo.
Fomos informados que nossa NR chegou no dia 15 de março, mas estava acontecendo um problema na região e o Comune não poderia transcrever nossos documentos. Depois ficamos sabendo que a província de Téramo (assim como diversas outras províncias italianas), estava sob investigação devido ocorrência de fraudes relacionadas principalmente à falsificação de documentos. Passamos dias bastante tensos aqui no Brasil e após várias conversas com nosso assessor soubemos que teríamos que retornar à Itália e nos apresentar no Comune para a conclusão do processo. Dessa vez, bastaria que apenas eu e a minha mãe fosse e daria para resolver para todos. Foram dias de muita ansiedade, pois o passaporte da minha mãe tinha vencido e ela teve que tirar outro e a Polícia Federal estava com problemas, mas no caso dela deu tudo certo e no dia 28 de abril embarcamos novamente para a Itália.
O problema que estava ocorrendo nas províncias italianas fugia da alçada do nosso assessor, mas somos muito gratos por todo empenho e dedicação ao nosso caso. Ficamos lá por aproximadamente uma semana e as coisas se resolveram nos últimos instantes antes da nossa partida. Graças a Deus foi possível transcrever os documentos dos meus filhos menores Vitor e Davi, que também tiveram a cidadania italiana reconhecida. Ufa, passamos um susto danado mas deu tudo certo!
Recebendo meu documento de identidade italiano, das mãos da oficial do Comune

Aqui estamos com a Tatiana e o filhinho dela Giovanni, uma família maravilhosa que conhecemos na Itália. Ela é brasileira casada com italiano. Somos muito gratos pelos momentos maravilhosos que passamos juntos, pelos passeios e pelas deliciosas refeições que nos proporcionaram. Vocês estarão para sempre em nossos corações!

Eu pessoalmente, talvez nem usufrua dessa cidadania italiana e a minha mãe, com seus 67 anos, muito menos... Minha mãe fez questão de fazer como uma realização pessoal, como honra à memória dos seus antepassados. Os maiores beneficiados com toda certeza serão os nossos filhos, que poderão usufruir de facilidades como por exemplo o direito de estudar, morar ou trabalhar em qualquer dos 28 países pertencentes à União Europeia, isenção de vistos para EUA, Canadá, Austrália e outros países, direito aos serviços de saúde italiano (um dos melhores serviços de saúde pública do mundo), etc

Para quem deseja fazer o processo, recentemente  ficou mais fácil, pois desde o dia 14 de agosto de 2016 começou a valer no Brasil a "Convenção de Haia", que é um tratado assinado pelo Brasil que tem como objetivo agilizar e simplificar a legalização de documentos entre os 112 países signatários. Com isto, o processo de reconhecimento da cidadania italiana foi simplificado, pois foram eliminadas as etapas de legalização junto ao ERESP e também consulado italiano. Desde então, as etapas são as seguintes:
1. Certidão de nascimento do antepassado italiano, requerida junto ao Comune de nascimento na Itália ( há algumas exceções neste caso, pois se a ascendência italiana é por parte materna, o filho da italiana não pode ter nascido antes de 01/01/1948, pois até esta época mulheres não "transmitiam" a cidadania aos seus descendentes)

2. Certidões brasileiras de nascimento, casamento e óbito (se for o caso), de todos da linha de transmissão, até chegar ao requerente em questão

3. Solicitar a CNN (Certidão de Não Naturalização) junto ao Ministério da Justiça, que é uma comprovação de Não Naturalização do estrangeiro, pois para transmitir o direito à cidadania o italiano não pode ter se naturalizado brasileiro, pelo menos não antes do nascimento dos filhos.

4. Traduzir para o idioma italiano todas certidões brasileiras, procedimento este que deve ser feito por "Tradutor juramentado"

5. Apostillar todos esses documentos num cartório

Após esses 5 passos, o processo já está pronto para dar entrada na Itália, e ser então requerida a cidadania italiana, Claro que todas as certidões tem que estar certinhas, sem divergências de nomes, datas, local de nascimento, etc.

Os conjugues de cidadãos italianos casados a mais de 3 anos tem direito à requerer a naturalização por casamento, que é um processo diferente e leva em média 2 anos. Demos entrada no processo do meu esposo Fernando e nossa expectativa é que no final de 2018 saia sua cidadania também.
Bom, foi um processo “repleto de emoções”, mas valeu muito à pena e recomendo a todos que tem esse direito.

Na próxima postagem vou contar um pouquinho de um passeio que fizemos para Nápoles e também Pompeia, aquela cidade que foi completamente destruída em decorrência da erupção do vulcão Vesuvio no ano 79, cujas ruínas estão preservadas até hoje. Foi incrível!

Pesquisar este blog